segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Rosh Hashaná (Yom Hazicaron) - seu significado





O Dia do Ano Novo judaico não é apenas uma ocasião de alegria mas, um dia dedicado à oração. É chamado Yom Hazicaron (Dia da Memória) - quando todas as criaturas são julgadas pelo Criador de acordo com seus méritos.

Devemos lembrar que o Supremo Juiz do Universo é bondoso e misericordioso. Seu propósito não é punir. D'us apenas quer que sigamos as Leis e regulamentos que Ele nos impôs para nosso próprio bem.

Durante o mês de Elul, com a aproximação de Rosh Hashaná, tomamos a resoluta determinação de corrigir qualquer mal feito ou hábito descuidado do passado. Um sentimento toma conta do coração do verdadeiro arrependido, como se removesse um fardo pesado do passado. É o sentimento de poder recomeçar a vida como uma criança recém-nascida, sem máculas nos seus registros. São estes os sentimentos que o judeu traz à sinagoga na primeira noite de Rosh Hashaná. Ele se encontra próximo a D'us, e as orações vem da sua sincera vontade de retornar ao Criador.


fonte: http://www.pt.chabad.org/

Mensagem para Reflexão - O ser Judeu!








O orgulho de ser judeu não é pelo que você tem correndo em suas veias, mas pelo que você tem na alma! O seu ser judeu não vem pelo nome de seus pais, mas veio pelo seu espírito! A sua existência judaica não se define por quantas vezes você vai na sinagoga, mas em quantas vezes você ajuda ou ensina o seu semelhante! Não é a grafia judaica de seu nome que lhe dá o direito de se dizer judeu, mas é o seu caráter que lhe obriga a sê-lo! E sê-lo com ética, moral, e respeito, são o selo que D'us lhe impôs para você poder dizer que é! Então, saiba que para sê-lo, você deve pagar o preço justo! Muitos que querem ser judeus pelo "status". O judaísmo tem que ser manifesto de dentro para fora e só se pode dizer se esse ou aquele é judeu tendo práticas judaicas. Sabendo que tem que se esforçar para cumprir mitsvot, se esforçar para kasherizar seu ambiente e fazer Guemilát Chéssed (atos de beneficência ou de amorosa bondade).

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Mensagem Rosh Hashaná - Claudio Lottenberg


Sephardic Selichot


segunda-feira, 21 de julho de 2014

Escolha do Nome



Seu filho nasceu, que nome dará a ele? Isso faz diferença? De acordo com o Tanach sim .Leia (1 Samuel 25.25). Além do nome descrever a personalidade de uma pessoa em um nome também é profético. Segundo a tradição judaica,quando os pais escolhem um nome para os filhos, eles são guiados pela Inspiração Divina.
Os filhos de judeus recebem mais um nome além do secular. Duas tradições diferentes orientam os pais em sua decisão: ASHKENAZIM-judeus que vem da Europa Ocidental - proíbem que se dê a criança o nome de uma pessoa viva. Segundo eles é muito cedo para ligar a vida da criança à vida de uma pessoa cujo fim ainda é desconhecido, que pode se transformar em um ímpio ou ter uma morte trágica. Em vez disso ligam o recém -nascido com aquele que já faleceu, uma maneira de dizer que aquela pessoa que já faleceu permanece simbolicamente vivo na criança e sua lembrança não é esquecida.
Já os SEFARADIM - judeus vindos da Europa mediterrânea e do Oriente - dão aos seus filhos nomes de pessoas vivas que eles tem carinho e respeito. Se você ver um judeu conhecido como "Junior" ou "Filho", com certeza é sefaradi.
A lembrança do nome de uma pessoa após o seu falecimento, renova a vida de sua alma no outro mundo. O nome de uma pessoa é um condutor que conecta dois mundos ...os dos vivos e o dos mortos. Quando os mortos são enterrados no meio do seu povo...e seus nomes são lembrados através dele, e como se continuassem a participar da vida neste mundo.

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Mazal Tov







Esta expressão em geral é traduzida como boa sorte. Mas mazal tov refere-se a uma constelação, dos signos do zodíaco. É uma maneira de falar para que os outros estejam ao seu favor.
Os judeus não acreditam que a astrologia determine o destino de uma pessoa, apesar disso pisos de mosaico de sinagogas retratam os signos do zodíaco, mas sim que os astros podem ter alguma influência.
Melhor não contrariar rsrs!!

sábado, 31 de maio de 2014

Duas Respostas Para a Mesma Pergunta



No meio da Parashá dessa semana, Nassó, HaShem ordena a benção dos Cohanim para o povo. Toda benção depende do recipiente. A benção da chuva, por exemplo, resulta em frutos suculentos num campo preparado para isso, mas pode resultar em lama num campo que não foi arado nem semeado.
Aqui está uma história que ilustra esse ponto:
Dois mercadores foram ao Rabino Avraham Yaacov, o Rebe de Sadigura, pedir-lhe conselho e benção para ter sucesso na Feira de Trigo que acontecia naquela época do ano nos seus países. Cada um entrou na sala do Rebe separadamente e pediram a benção cada um de seu jeito.
O primeiro pediu de forma simples, se valeria a pena investir no negócio de trigo ou não.
“Não invista em negócios de trigo nesse momento,” respondeu o Rebe.
O segundo homem não se satisfez com uma pergunta simples e entrou em detalhes sobre o investimento proposto e seu provável sucesso.
“Se é do jeito que o senhor está falando,” respondeu o Rebe, “que você seja abençoado e tenha sucesso!”
Cada um dos mercadores agiu de acordo com o conselho do Rebe. O primeiro evitou se envolver no comércio de trigo, enquanto que o segundo investiu seu dinheiro na compra de trigo. No entanto, seu negócio não prosperou e perdeu todo o seu capital investido.
Posteriormente, quando o segundo individuo teve oportunidade de ver seu Rebe novamente, ele derramou sua amargura, relatando sua grande perda financeira. “Por que o Rebe não me avisou para ficar fora do comércio de trigo, como foi o caso de meu amigo?”
“Vamos tentar entender as coisas como elas aconteceram de fato,” respondeu o Rebe de Sadigora, “seu amigo veio a mim com uma questão. Ele mesmo não sabia o que era o melhor para ele, e confiava inteiramente no meu conselho, não importasse qual fosse para seguir em frente ou desistir. Já que ele esperava a minha resposta, respondi no modo em que D’us inspirou-me a responder, com a primeira noção que me passou pela cabeça. O homem fez conforme lhe disse para fazer e, em mérito de sua fé, foi salvo de um desastre financeiro.
“Por outro lado, você,” continuou o Rebe, “tentou me explicar como o negócio funciona e os lucros tremendos que você esperava receber desse investimento, etc. Sem ser um mercador, eu pesei as informações que você me passou e fui forçado a lhe aconselhar de acordo com a sua própria informação.
“Afinal de contas, se eu fosse lhe aconselhar em contradição à minha compreensão lógica do que você tinha acabado de me contar, eu estaria me definindo como um Tsadik, cujo primeiro instinto deriva de Inspiração Divina. E como uma pessoa pode se auto-definir como uma pessoa sagrada?
“É somente quando uma pessoa acredita com fé completa num Tsadic e está convencida que suas ideias tem realmente inspiração Divina, que D’us lhe ajuda em mérito de sua fé, e dá ao Tsadic a resposta correta, mesmo que ele não saiba nada do mundo dos negócios.”

Fonte: http://www.pt.chabad.org/