Pages

sábado, 18 de outubro de 2014

Sucot






Olá pessoal vamos atualizar as notícias por aqui.... A começar por Sucot. Sucot é um festival judaico que se inicia no dia 15 de Tishrei de acordo com o calendário judaico. Também conhecida como Festa dos Tabernáculos ou Festa das Cabanas ou, ainda, festa das colheitas visto que coincide com a estação das colheitas em Israel, no começo do outono.
É um dos mais importantes feriados Judaicos. Sucot é uma das três festas de peregrinação, em que todo o Povo Judeu vinha a Israel na Antiguidade, quando o Templo Sagrado estava lá, e ofereciam animais e cereais em sacrifício. Sucot é uma festividade particularmente alegre que combina religiosidade com elementos agrícolas. Sucot relembra os 40 anos de êxodo dos hebreus (Hebreus e não judeus, uma vez que o judaísmo surgiu após o cativeiro babilônico, onde começam a surgir as sinagogas) no deserto após a sua saída do Egito. Nesse período o povo judeu não tinha terra própria, eram nômades e viviam em pequenas tendas ou cabanas frágeis e temporárias. Como forma de simbolizar este período, durante a celebração de Sucot, os judeus fazem suas refeições sob folhas e galhos ao ar livre, em uma sucá.
Um outro nome para Sucot é o Festival da Colheita, por ser comemorada no outono, depois da colheita do verão e antes da plantação da safra de inverno. Um tema central nas rezas desta festa é a chuva. Os agricultores agradecem a D’us pela colheita do ano e rezam por chuva no ano seguinte. Uma outra explicação para o costume de edificar cabanas é o de comemorar as cabanas construídas nos campos na época da colheita e proteger a safra já colhida.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Rosh Hashaná (Yom Hazicaron) - seu significado





O Dia do Ano Novo judaico não é apenas uma ocasião de alegria mas, um dia dedicado à oração. É chamado Yom Hazicaron (Dia da Memória) - quando todas as criaturas são julgadas pelo Criador de acordo com seus méritos.

Devemos lembrar que o Supremo Juiz do Universo é bondoso e misericordioso. Seu propósito não é punir. D'us apenas quer que sigamos as Leis e regulamentos que Ele nos impôs para nosso próprio bem.

Durante o mês de Elul, com a aproximação de Rosh Hashaná, tomamos a resoluta determinação de corrigir qualquer mal feito ou hábito descuidado do passado. Um sentimento toma conta do coração do verdadeiro arrependido, como se removesse um fardo pesado do passado. É o sentimento de poder recomeçar a vida como uma criança recém-nascida, sem máculas nos seus registros. São estes os sentimentos que o judeu traz à sinagoga na primeira noite de Rosh Hashaná. Ele se encontra próximo a D'us, e as orações vem da sua sincera vontade de retornar ao Criador.


fonte: http://www.pt.chabad.org/

Mensagem para Reflexão - O ser Judeu!








O orgulho de ser judeu não é pelo que você tem correndo em suas veias, mas pelo que você tem na alma! O seu ser judeu não vem pelo nome de seus pais, mas veio pelo seu espírito! A sua existência judaica não se define por quantas vezes você vai na sinagoga, mas em quantas vezes você ajuda ou ensina o seu semelhante! Não é a grafia judaica de seu nome que lhe dá o direito de se dizer judeu, mas é o seu caráter que lhe obriga a sê-lo! E sê-lo com ética, moral, e respeito, são o selo que D'us lhe impôs para você poder dizer que é! Então, saiba que para sê-lo, você deve pagar o preço justo! Muitos que querem ser judeus pelo "status". O judaísmo tem que ser manifesto de dentro para fora e só se pode dizer se esse ou aquele é judeu tendo práticas judaicas. Sabendo que tem que se esforçar para cumprir mitsvot, se esforçar para kasherizar seu ambiente e fazer Guemilát Chéssed (atos de beneficência ou de amorosa bondade).

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Escolha do Nome



Seu filho nasceu, que nome dará a ele? Isso faz diferença? De acordo com o Tanach sim .Leia (1 Samuel 25.25). Além do nome descrever a personalidade de uma pessoa em um nome também é profético. Segundo a tradição judaica,quando os pais escolhem um nome para os filhos, eles são guiados pela Inspiração Divina.
Os filhos de judeus recebem mais um nome além do secular. Duas tradições diferentes orientam os pais em sua decisão: ASHKENAZIM-judeus que vem da Europa Ocidental - proíbem que se dê a criança o nome de uma pessoa viva. Segundo eles é muito cedo para ligar a vida da criança à vida de uma pessoa cujo fim ainda é desconhecido, que pode se transformar em um ímpio ou ter uma morte trágica. Em vez disso ligam o recém -nascido com aquele que já faleceu, uma maneira de dizer que aquela pessoa que já faleceu permanece simbolicamente vivo na criança e sua lembrança não é esquecida.
Já os SEFARADIM - judeus vindos da Europa mediterrânea e do Oriente - dão aos seus filhos nomes de pessoas vivas que eles tem carinho e respeito. Se você ver um judeu conhecido como "Junior" ou "Filho", com certeza é sefaradi.
A lembrança do nome de uma pessoa após o seu falecimento, renova a vida de sua alma no outro mundo. O nome de uma pessoa é um condutor que conecta dois mundos ...os dos vivos e o dos mortos. Quando os mortos são enterrados no meio do seu povo...e seus nomes são lembrados através dele, e como se continuassem a participar da vida neste mundo.

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Mazal Tov







Esta expressão em geral é traduzida como boa sorte. Mas mazal tov refere-se a uma constelação, dos signos do zodíaco. É uma maneira de falar para que os outros estejam ao seu favor.
Os judeus não acreditam que a astrologia determine o destino de uma pessoa, apesar disso pisos de mosaico de sinagogas retratam os signos do zodíaco, mas sim que os astros podem ter alguma influência.
Melhor não contrariar rsrs!!